04/10/2016

Review: Westworld - Estreia poderosa da HBO


E vamos falar da série com a melhor estreia na HBO desde True Detective! WestWorld teve sua premiere nesse último Domingo (02/10/16) e veio para preencher o gap deixado por Game of Thrones. Tanto pelo fim da temporada quanto em excelência de produção. Vem ver como foi o pilot.
''Choramos ao nascer por termos chegado a este imenso cenário de tolos.''
Sinopse


O mau-funcionamento de um robô provoca destruição e terror para um grupo de pessoas que passa férias no Westworld, um parque de diversões futurístico para adultos. O Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) é o brilhante, taciturno e complicado diretor criativo, chefe de programação e presidente do parque, que tem várias idéias para melhorar o local - e métodos difusos de alcançá-los. Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood) é uma típica garota de fazenda que vive na fronteira do parque, e está prestes a descobrir que toda a sua existência não passa de uma muitíssimo bem elaborada e arquitetada mentira.


Review 

Criado por JJ Abrams - responsável pelos novos Star Trek, Star Wars, Armagedon, Fringe e outros filmes e séries consagrados na ficção científica - em colaboração com o casal Lisa Joy e Jonathan Nolan (sim, irmão do Chris Nolan da trilogia Batman The Dark Night). Já viu que tem tudo para dar certo, hun?
WestWorld teve um pilot misterioso e sangrento. Começamos conhecendo o mundo fake de faroeste criado para que o ricos  fizessem ''excursões'' ao passado. Nessas excursões eles são permitidos a fazer o que quer que suas mentes deturpadas desejem. Somos apresentados a Dolores (Evan Rachel Wood) e Jack (James Marsden), o casal que pareceu que estará passeando pelo protagonismo nos episódios. Dolores é um doce menina do Oeste e Jack... é um uma incógnita. Só sabemos que ele voltou de algum lugar. Temos uma amostra do que é a ''narrativa principal'' de suas histórias e conhecemos também o visitante de Dolores. 



Visitantes são os ricos que pagam para viajar a esse lugar. Os ''récem-chegados''. Os robôs-humanos criados para integrar a narrativa do lugar são os anfitriões. Récem-chegados não podem ser feridos. Anfitriões podem sofrer tudo que os visitantes pensarem em fazer com eles. E logo no início já temos uma amostra do que grande parte dos visitantes está interessado em fazer por lá.



Conhecemos também os programadores, roteiristas, chefe de segurança e a gerente do local responsável pela criação do Westworld. Já nessas interações iniciais podemos perceber que algo muito pior do que o já acontece está sendo preparado para o lugar. 



Apesar de todo o cuidado para manter as narrativas correndo normalmente, alguns robôs começam a demonstrar falhas depois de uma atualização recente feita pelo programador chefe, interpretado por Anthony Hopkins. Já tenho altas teorias sobre o que ele fez e o que quer. 


Uma vez que foi um episódio introdutório pudemos apenar ser apresentado aos personagens mais regulares e suas intenções mais óbvias. Claro que diante dos diálogos bem colocados já podemos ter desconfianças e insights aqui e ali, mas nada que eu ache que vá atrapalhar a surpresa nos próximos 9 episódios. O ritmo também é bem mais lento do que podemos imaginar vendo o trailer, mas digo novamente: estamos sendo apresentados a um mundo novo. Exige uma pá de cenas com diálogos filosóficos, estranhos e cheios de ''quê?''.



A ambientação é um ponto forte da produção, mas nada tão bom quanto as atuações. Certamente o elenco é que faz a maior diferença para tornar crível e manter o clima certa na série. Ed Harris cumpre muito bem o papel de vilão. Evan R. Wood sempre atua bem, sendo mocinha ou vilã. Anthony Hopkins está maravilhosamente ambíguo em seu papel. Ainda não pudemos ter uma grande amostra da Thandie Newton - que interpreta uma prostituta - e do Rodrigo Santoro (sim, ele tá aqui!), mas podemos esperar que sejam regulares e passem boa parte da série no meio das tramas principais. Jeffrey Wright parece estar vivendo novamente o Beetee, mas isso é uma coisa boa. A Angela Sarafayan calada já fez muito e Sidse Knudsen está impecável no papel de gerente sou-foda-e-tô-nem-aí. Shannon Woodward pegou um papel que achei cheio de nuances também. Mas ninguém se destacou tanto com tão pouco tempo em tela como Louis Herthum interpretando Peter Albernathy, pai de Dolores. Seu robô é um dos que dá defeito, então possivelmente não teremos mais dele OU teremos mais lá para o final. Espero que sim. Ele deu uma mitada com dois minutos de cena. 

''Esses prazeres violentos tendem a ter finais violentos. ''

A trilha sonora foi um personagem à parte. Black Hole Sun de Soundgrande e Paint in Black de Rollings Stones (numa versão orquestrada muito legal) dão vida às cenas e personagens acompanhados por elas.


Em resumo, a série parece que vai ser meio que um escrutínio da mente humana e suas capacidades para bem ou para o mal. Vai ser regada de sangue, mortes, diálogos complexos e tiradas inteligentes com cenários e personagens do faroeste em tramas bang-bang fusionadas a ficção-científica primária. Tá bom ou quer mais?

8 comentários:

  1. Oi Grazi, tudo bem? Pela descrição essa serie parece ser muito boa. Pena que estou sem tempo pra tv. Universidade, filho, tcc... Mas quem sabe nas ferias né? Amei o post, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Grazi!
    Eu assisti o estreia e confesso que gostei bastante! Bem diferente de tudo que já assisti. Espero que seja um sucesso como as outras séries do HBO.

    Beijos,
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, pela descrição da série, ela parece ser maravilhosa, bem diferente de tudo que assisto e só com atores bons, com ótimo enredo e com ótimos produtores. Vou dar uma chance e assistir ao episódio piloto.
    bjus

    ResponderExcluir
  4. OOi!
    A série parece ser ótimaa! Não conhecia a inda mas dica anotadíssima. a trama e o elenco parecer ser ótimos!
    Embora não esteja acompanhando quase que nenhuma série no momento, por falta de tempo, fico guardando as dicas para as férias ou feriados. kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu fiquei um pouco confusa na história. Faroeste e robôs juntos é meio bizarro. Por isso fiquei super curiosa para ler. A história é bem inovadora s se for trabalhado de forma correta vai ser um sucesso.
    Adorei a indicação.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Oie Grazi!
    eu já tinha ouvido falar dessa série, mas não fazia muita ideia do que se tratava, na verdade, não tinha nem ido atrás. Agora, com a sua apresentação, fiquei até que bem interessada na série. Essa coisa de ter robos e um mundo que você pode fazer o que quiser... Parece ÓTIMA! Eu acho que vou querer acompanhar!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Grazi, não conhecia essa série... mas parece ótima!!!!! Vou tentar acompanhar hahahahaha

    bjs
    www.livrosdabeta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Ele nos promete muito e acho assim sera, West world eu acho que é os melhores lançamentos do ano, impecável em cada detalhe, vou ser muito seguidor e eu peguei a história, embora eu não sigo muito o gênero western que não pára o gozo porque é uma mistura de ficção científica, com uma realidade alternativa que eu não acho que estamos muito longe com essas idéias que temos a raça humana para jogar criar a vida, faz-nos perguntar de que lado estamos, às vezes apoiamos a inteligência artificial ou a humanidade, é muito sábio para reprisar a história, o elenco é excelente, com algumas referências, outra vantagem é a música adaptada.

    ResponderExcluir