19/01/2017

Crítica: Desventuras em Série - NÃO ASSISTAM!

Não há palavras para descrever as desventuras em série vividas pelos irmãos Baudelaire, tão miserável é o destino dessas crianças que mesmo o narrador da estória Lemony Snicket tenta nos convencer a todo momento desligarmos a TV e procurarmos um programa mais feliz para assistirmos. Se você é uma pessoa com um coração cheio de esperança em finais felizes, recomendo que procure outra série para assistir, porque Desventuras em Série pegará o seu coraçãozinho e jogará em um poço de desesperança. Enquanto pode, siga as instruções do narrador e não assista! NÃO ASSISTA!





Deixando as brincadeiras de lado, vamos começar essa crítica?!

Desventuras em Série é a mais recente série produzida pela Netflix, que adapta os livros do autor Lemony Snicket, pseudônimo de Daniel Handler. A série contará a estória dos três irmãos Baudelaire, órfãos depois de um trágico incêndio, eles passaram para a tutoria de Conde Olaf, um ator sem talento que tem mais interesse na fortuna das crianças do que no bem-estar delas. Assim como o Coite corre atrás do Papa Leguas, Conde Olaf irá elaborar planos "infalíveis" para roubar essa fortuna e torna a vida dos órfãs o mais miserável possível.

Para os fãs dos livros, a série será uma compensação pela decepção da adaptação de 2004, afinal só a primeira temporada contém 8 episódios que adaptam os primeiros 4 livros, tempo mais que suficiente para relatar fielmente a trajetória dos irmãos Baudelaire com o minimo de cortes. Também diferente do filme de 2004, a série optou por um tom com menos comedia e uma ambientação mais sombria, o abuso e o abandono sofrido pelas crianças a cada episódio se torna cada vez mais desconfortável, fazendo com que eu desejasse ainda mais que elas saíssem dessa situação.

Algo que eu amei nessa nova adaptação foi que o roteiro deu muitos mais detalhes sobre os segredos relativo ao passado dos pais dos irmãos Baudelaire, deixando ainda algumas pontas soltas para serem resolvidas nas próximas temporadas. Por eu ter apenas lido os três primeiros livros de Desventuras em Série, estou ansiosa para desvendar mais desses segredos nas próximas temporadas.

    
A narração de Lemony Snicket foi essencial para que os fãs conseguissem relacionar a série com os livros, porém eu me senti um pouco incomodada com a aparição do narrador em alguns momentos, afinal a cada vez que Snicket aparecia a cena dava uma pequena pausa no que estava acontecendo com os Baudelaire, para mim esses momentos quebravam o impacto das cenas. Nos livros essas quebras faziam mais sentindo, diferente do que foi apresentado pela série.

Algo que eu adoro na estória de Desventuras em Série é o exagero da personalidade dos personagens, os Baudelaire são inteligentes, então eles são pequenos gênios, o Conde Olaf é cruel, então ele é personificação da maldade, essas personalidades caricaturadas fazem com que as cenas percam um pouco de seriedade, o que torna tudo distante, obscuro e irreal. Eu fiquei muito feliz de ver que isso não se perdeu nessa adaptação, todos os atores estavam comprometidos com os seus personagens, sendo tão absurdos quanto personagens de desenhos animados.

Visualmente a série é um contraste entre os cenários mórbidos e alguns pontos de cores vibrantes, refletindo a trajetória de desventuras dos Baudelaire e os pequenos momentos de esperança que nós vamos sentir de que o destino deles irá mudar. Independente de quantas vezes Lemony Snicket tentará nos convencer de que essa é um estória sem um final feliz, nós somos sempre convencidos de que em algum momento uma reviravolta irá acontecer e as crianças finalmente terão um lar saudável e seguro. Prepare-se para que suas esperanças sejam esmagadas!

Desventuras em Série tem 13 livros, portanto ainda tem muito chão até que o final, eu não sei qual será o destino dos irmãos Baudelaire, mas eu espero que seja bom. Eu sei que não será, mais eu espero que seja.





Nenhum comentário:

Postar um comentário