08/02/2017

Resenha: Sacanas do Asfalto

A pergunta que você deve se fazer antes de ler Sacanas do Asfalto é: você gosta de algum filme do diretor Quentin Tarantino? Se a resposta for sim, então esse livro é feito para você. Mas se a sua resposta for não, eu sugiro que você assista os filmes dele novamente porque você não deve estar vendo do jeito certo. Brincadeiras a parte, se você não é fã de Tarantino esse livro não foi feito para você, então a leitura está por sua conta e risco. Vamos para  resenha!



Título:
Sacanas do Asfalto
Autor: Robson Gundim
Editora: PenDragon
Páginas: 274
Onde comprar: Amazon
Sinopse: Com a chegada das férias, três jovens estudantes decidem viajar para se divertirem no melhor festival de rock da ilha de Vera Cruz. Movidos por uma harmonia indestrutível, eles tomam a estrada e chamam a atenção de todos por onde passam. Porém, nem tudo parece ser tão agradável como supunham, sobretudo quando o líder de um grupo de motoqueiros resolve desafiá-los, mexendo com seus medos e feridas, em uma implacável perseguição. Sacanas do Asfalto é um livro recheado de suspense, ação e reviravoltas, em uma homenagem ao renomado escritor e diretor Quentin Tarantino.




Sacanas do Asfalto tem inicio com a apresentação dos nossos três protagonistas, Rob, Arthur e Teh, que são estudantes de cinema e estão em uma viagem para a ilha de Vera Cruz. Já no primeiro capitulo você é capaz de notar várias referências de filmes, musicas, cultura nerd, Tarantino, óbvio, em apenas um diálogo, o que na minha opinião é a formula perfeita para se descrever personagens, falar sobre os seus gostos e interesses vão revelando aos poucos quem eles são e de onde vieram.

Antes que os protagonistas cheguem  ao seu destino, somos apresentados a outros núcleos que no futuro irão se conectar em determinado momento, mas a principio são introduzidos de maneira isolada da narrativa principal. Essa estrutura de narrativa foi o que eu mais gostei no livro, ele me permitiu conhecer os personagens em uma perspectiva diferente da que eles foram originalmente apresentados. Por exemplo, no inicio do livro são introduzidos meia duzia de personagens que fazem parte de uma gangue, porém não é possível saber nenhum detalhe sobre eles, fazendo com que tenhamos uma visão inteiramente limitada, no entanto no decorrer dos capítulos tem um em particular que se dedica inteiramente a falar somente sobre esse grupo, fazendo com que eles não sejam apenas os monstros e assassinos vistos pelos olhos dos protagonistas, mas se tornando mais humanos e acessíveis a nossa compreensão. Isso é algo que eu vejo muito nos filmes do Tarantino, pessoas ruins não são apenas ruins, são filhos, irmãos, namorados de alguém, são pessoas que tem objetivos, sentimentos e pensamentos próprios, são seres humanos que apesar de você não concordar com 100% de suas ações, você é capaz de se conectar ao menos um pouco.

Assim como os filmes de Tarantino, Sacanas do Asfalto está cheio de violência, sangue, vingança  e mortes com ótimas descrições gráficas. Algo que eu fui capaz de notar é a capacidade brilhante do autor de descrever cenas de ação, em nenhum momento eu me sentir perdida ou precisei ler mais de uma vez a mesma página para entender o que estava acontecendo. Esse é um detalhe muito importante para mim, afinal descrições como um número repetitivo de ações costumam fazer com que eu perca o foco com facilidade e isso não aconteceu durante a leitura desse livro.

A estrutura de Sacanas do Asfalto é impecável e retrata bem a maturidade literária do autor, que além desse possui outras obras publicadas, entretanto essa não é uma obra isenta de problemas. O que mais me incomodou durante a leitura foi a construção dos personagens, todos eles tinham personalidades extremamente parecidas, com poucas variações no comportamento e na linguagem. Isso se torna um problema quando você vê personagens falando palavras difíceis dentro de um contesto em que seria impossível que eles possuíssem palavras como essa no seu vocabulário. Essa falta de desenvolvimento individual dos personagens fez com que eu fosse incapaz de torcer ou me conectar emocionalmente com eles, fazendo com que todas as mortes significativas do livro não me causassem nada. Eu acredito que uma ou duas cenas a mais de integração e construção de vinculo entre o grupo de amigos, destacando as individualidades de cada um, seriam o suficiente para que eles se tornassem significativos.

Apesar de a estória não ter me envolvido por completo, Sacanas do Asfalto tem todas as qualidades necessárias para entreter os leitores Tarantinecos, afinal as referencias e homenagens ao diretor  são o ponto alto desse livro, está tudo lá: violência e sangue, a justiça alcançada por meio da vingança, os personagens exagerados e com habilidades assassinas,  Sacanas do Asfalto está com toda certeza recomendado para esse público.


     

Nenhum comentário:

Postar um comentário