24/05/2017

Resenha: Nós - Ievguêni Zamiátin



Título:
Nós
Autor: Ievguêni Zamiátin
Editora: Aleph
Páginas: 344
Onde comprar: Amazon
Oitavo livro mais vendido em Abril na Amazon
Sinopse: Nós, escrito por Iêvgueni Zamiátin, é a distopia original que inspirou desde grandes clássicos do gênero – Admirável Mundo Novo, 1984, Laranja Mecânica e Fahrenheit 451 – até livros mais recentes – Divergente e Jogos Vorazes. A obra, esgotada há anos no mercado brasileiro, volta em uma edição de luxo com texto traduzido direto do russo e duas leituras complementares. A primeira é uma resenha do livro escrita por George Orwell, autor de 1984, originalmente publicada na revista londrina Tribune em 1946. Orwell ressalta a ousadia política de Nós e indica alguns dos incontáveis aspectos em que Zamiátin inspirou Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Há também uma comovente carta enviada por Zamiátin a Stálin, pedindo para sair da União Soviética, onde todas as suas publicações estavam sofrendo perseguição política. “Se eu for verdadeiramente um criminoso que merece punição, não creio que mereça uma punição tão grave quanto a morte literária. Por isso, peço que essa sentença seja comutada pela deportação da URSS”, escreve. Em suas páginas, o autor imaginou um governo totalitário chamado Estado Único que, supostamente pelo bem da sociedade, privou a população de direitos fundamentais como o livre-arbítrio, a individualidade, a imaginação, a liberdade de expressão e o direito à própria vida. Um mundo completamente mecanizado e lógico, onde as pessoas não possuem nomes, mas sim números, e o Estado dita os horários de trabalho, de lazer, de refeições e até de sexo. A trama traz a história de D-503, um engenheiro que vive pleno e feliz (exatamente como ordena o grandioso Estado Único), mas começa a duvidar das próprias convicções ao conhecer uma misteriosa mulher que comete a ousadia de bular regras, e que o contamina com a doença chamada imaginação.

'' Não existe revolução final, as revoluções são infinitas. '' 



É preciso que eu comece dizendo o mais importante sobre esse livro: ele é o influenciador do gênero distopia. Mais: ele claramente deu as bases para 1984 e Admirável Mundo Novo (ainda é discutido), dois dos maiores suprassumos da literatura distópica. Leia com cuidado e respeito. Estamos diante de uma obra de inestimável valor <3


O livro narra as impressões de D-503, um matemático ingênuo e orgulho de sua sociedade.  Ele é o engenheiro chefe do programa de criação da Integral, um foguete destinado a ir a outros mundos. Seu tempo ocorre depois da Guerra de 200 anos, um evento tão grande de dizimou quase toda a população. O restante dela, então, isolou-se com uma muralha transparente e acabou criando um enorme senso de coletivismo, mantido metodicamente pelo governo, personificado pela imagem do Benfeitor.  E é com essa premissa que se desenrola uma das melhores histórias que já li. 



Durante a leitura ficam óbvias as influencias dos outros livros. Nessa sociedade qualquer ato pessoal e individualista é desencorajado e amor, claro, é proibido e nem sequer considerado. Nada que possa despertar curiosidade pelo próprio eu é desenvolvido. Os próprios nomes dos cidadãos são uma combinação de letras e números. A muralha que protege a sociedade é, como já falei, transparente, assim como todas as os prédios e ambientes, derrubando assim qualquer construção de senso de privacidade. As relações sexuais são programadas para certos fins. Admirável Mundo Novo* está claríssimo aí. D-503 é o caricato personagem confortável e orgulhoso de sua situação e de seu mundo, até que conhece I-330, uma mulher inconformada e rebelde, que desperta em D-503 sentimentos verdadeiramente humanos e dúvidas quanto ao Estado Único. Olha a Julia de 1984 aí. 



Não é de se admirar que na época de sua publicação, meados de 1920, o livros tenha sido perseguido e proibido por Stalin e outros governos ligados à Russia. É, portanto, maravilhoso que a Editora Aleph tenha conseguido o texto integral. Até 2012, quando me tornei leitora assídua do gênero, eu nunca havia ouvido falar desse livro, assim como a maioria dos leitores em minha bolha social, o que é uma pena, pois sua importância na literatura precisa ser enfatizada. 


Apesar do assunto complexo e da abordagem que pode gerar uma sensação de esquisitice, a leitura do livro é tão fluida quanto a de Fundação, de Isaac Asimov (que também nos apresenta um mundo diferente e meio doido). Eu li um menos de uma semana e teria sido mais rápido se não tivesse com tanta coisa pra fazer atualmente. 



A edição da Editora Aleph tem uma carta do autor do livro, solicitando permissão para sair da União Soviética devido à perseguição de suas obras. Tem também uma resenha que George Orwell (1984) fez do livro e que após ela, diz-se que ele decidiu começar sua ilustre narrativa.

Em resumo, Nós é um livro obrigatório aos fãs do gênero e apesar da complexidade da narrativa, uma boa forma de começar nesse mundo. Sem falar nas possibilidades de uso em sala de aula. Sério, dá pra tirar vários planos de aula para vários cursos universitários com as coisas trabalhadas aqui. 

* Algumas pessoas dizem que Huxley afirmou ter escrito seu romance antes de ter contato com Nós. 

14 comentários:

  1. Olá!
    Apesar do projeto gráfico ser belíssimo, a obra e sua premissa não me atraíram para leitura. Portanto deixo passar essa dica pois todo esse cenário de guerra costuma ser uma leitura bem pesada e arrastada.
    Ahh eu amei suas fotos!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, mas o cenário não é de Guerra, flor. É um pós-guerra e suas consequências.

      Excluir
  2. Oiii tudo bem?
    Infelizmente dessa vez a obra não despertou meu interesse, mas fico feliz que tenha trazido a resenha para nós, a edição parece estar luxo, é um assunto que raramente leio, mas não irei descartar.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Oii, tudo bem?
    Não conhecia a obra, mas a premissa chamou bastante a minha atenção, ainda mais por ser uma distopia. Acredito que seja uma obra incrível e gostei de saber que a leitura é bem fluída. A edição é incrível mesmo, é um daqueles livros para se ter na estante.
    Dica super anotada, beijos.

    ResponderExcluir
  4. Parece ser um livro maravilhoso, fiquei muito interessada na leitura. Fora que ser um dos primeiros livros a apresentar uma distopia? Quero ler!
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  5. eu tô louca ansiosa pra por as mãos numa edição pra chamar de minha HAHAHAHA
    AMO DISTOPIAS [as clássicas] e [heresia de minha parte] não sabia da existência desse livro até ver a Aleph lançando...
    me sinto meio chateada até de ver que livros que abordem uma temática tão importante não atraiam o interesse de mais e mais leitores...
    quero muito ler Nós. 1984 e AMN estão em meus livros favoritos. Esse certamente fará companhia pra eles. ♥

    bjs...

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Não faz ideia como quero ler este livro, já namorei na Amazon mas mesmo com capa dura e tudo está um pouco salgado e o e-book pouco mais barato que o físico, vou "perar" um cupom ou então que abaixe os preços rs

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Eu não fazia ideia da existência desse livro e como boa amante do gênero quero o ler pra já, principalmente pelo cenário de pós guerra que me é muito atrativo. A edição ficou linda e muito atrativa.
    Beijos!

    ResponderExcluir

  8. Olá amiga, tudo bem?
    Esse livro na verdade, apesar de não ser complexo, é para poucos, pois as pessoas infelizmente, pelo o que tenho visto, gostam de ler mais do mesmo, não expandem o próprio universo de gêneros literários e esse livro é um clássico que influenciou tantos outros livros. Gostei da sua resenha, está de parabéns!
    Bjus

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, um livro que mostra as consequências, conflitos, do pós guerra, pode ser uma leitura esclarecedora para muitas coisas obscuras que ficaram no esquecimento. Boa resenha parabéns.

    ResponderExcluir
  10. ‘Estamos diante de uma obra de inestimável valor’ impossível discordar de você e esse tipo de obra tem que ser lida, no mínimo, com respeito. Excelentes colocações iniciais as suas. Eu conheço o livro, mas, não tenho essa edição.

    ResponderExcluir
  11. Oie amore,

    Parabéns por sua resenha...
    Gostei do livro quando vi.. mas lendo sua resenha e vendo essa coisa de guerra não me atrai, então dessa vez passo a dica!

    Beijoka!

    ResponderExcluir
  12. Oieee, estou ansiosa para ler esse livro, por que tambem vai me ajudar na construção de meu TCC, e nada melhor que ler uma boa obra não e mesmo? gostei muito de ver sua interpretação do livro e espero gostar tanto quanto vc!

    Bjs

    http://www.leituraentreamigas.com.br/2017/05/novidades-literarias-de-maio-galera.html#.WTAi5usrLIU

    ResponderExcluir
  13. Olá,

    Ficou nítido o quanto você gostou de fazer essa leitura, até me empolguei aqui, e olhe que não faz muito meu estilo haha. É engraçado como as pessoas têm pontos de vista diferentes né, semana passada li uma resenha que dizia que o livro era bem lento, já você disse que a leitura é fluída. Espero ter a oportunidade de conhecer essa obra e tirar minha série próprias conclusões.

    ResponderExcluir