18/10/2017

Resenha: Os Despossuídos - Úrsula Le Guin



Título:
Os Despossuídos
Autor: Úrsula Le Guinn
Editora: Aleph
Páginas: 384
Onde comprar: Saraiva
Sinopse: Ganhador do prêmio Nebula de melhor romance em 1974, além do Hugo e do Locus em 1975, Os Despossuídos lida com temas fundamentais a sua época, como o capitalismo, o comunismo russo e o anarquismo, além dos conceitos de individual e coletivo. O romance se passa em dois planetas-gêmeos, Uras e Anarres, com sistemas políticos opostos e prestes a entrar em guerra, numa alusão à Guerra Fria.
Resenha


Sabe aquele livro que vem no período histórico certo pra gente ler? Então, esse é Os Despossuídos. Na verdade, a maioria dos livros de ficção científica faz muito sentido em qualquer época, haha, mas realmente pegou certinho com certas ameaças entre dois certos países. Anyway, bora lá. 

“Jamais ele tinha tido iguais. E no entanto aqui, nos domínios da desigualdade, ele finalmente os encontrava.''






Os Despossuídos é ambientado entre dois planetas opostos: Urras, que  vive um período que faz alusão à Guerra Fria, com duas super potências, uma capitalista e outra socialista, que disputam o controle do mundo e no momento estão dando suporte a um conflito em outro país, do outro lado do planeta (creio que esta parte da narrativa foi inspirada na Guerra do Vietnã) e Anarres, sua lua, que tornou-se um ''planeta'' habitado vivendo um anarquismo ''utópico''. Este foi construído por um acordo de exilamento dos rebeldes fracassados de uma revolução anterior. Desde então, esse povo vive em isolamento. Eles são os Despossuídos.




Mas o que significa ''despossuídos''? Que não estão sob posse de algo ou de alguém. Na sociedade de Anarres não há posse, portanto. Não há pronomes que encorajem este tipo de pensamento. Há uma sensação geral de coletividade.

Com estas duas sociedades ultra diferentes é construída a história de Shevek, um físico natural de Anarres que viaja a Urras para trabalhar em sua teoria de simultaneidade do tempo. Note que apesar de ser uma sociedade coletiva, ela não permite que Shevek desenvolva sua curiosa e compartilhe seu conhecimento. Ele então faz uma viagem jamais vista em Anarres. É com ele que vemos as dicotomias entre os planetas e suas características ajudam a formar o protagonista. Nada nesse livro aparece por acaso. Cada capítulo, alternadamente, se passa numa das sociedades e aos poucos vamos desvendando a intenção de Guin ao escrever essas obra. 





No passado de Shevek, temos os capítulos sobre Anarres que vai sendo construída de modo realístico, sem exageros e muito interessante. No presente de Shevek temos os capítulos sobre Urras, que é basicamente uma crítica do nosso mundo real, mas fica claro que a narrativa quer nos fazer pensar. Nenhuma das sociedades é totalmente ruim ou totalmente boa. As ambiguidades vão sendo desvendadas e vamos nos convencendo do que está sendo vendido. Não há certo ou errado. Não há tentativa de forçar uma ideologia goela-abaixo. Úrsula utiliza esses planetas para nos mostrar a construção das sociedades e como suas relações nos atingem. 

As tramas lembram um pouquinho o estilo de Estranho Numa Terra Estranha, afinal estamos acompanhando um cara numa terra diferente da sua de origem, mas difere no modo como trabalha a sociedade. Úrsula é pungente e incisiva, sem rodeios, mas trabalha tudo com calma. Este livro não é para quem espera tramas cheias de reviravoltas e plot twists. É mais uma sci-fi para pensar



Os Despossuídos é, portanto, um livro complexo, com certa pompa nos conteúdos que trabalha, linear e feito para nos tirar de nossa zona de conforto. Pode entediar os iniciantes, mas para os fãs do gênero com certeza é obrigatório.

P.S.: Sobre a edição - simples e bonita. Não sei se o laranja forte contrastando com o branco foi feito pensando em demonstrar que esse seria um livro de opostos, mas ficou mais legal ainda após leitura.  A diagramação é simples. Fonte adequada e páginas amareladas <3 


15 comentários:

  1. Olá! Adorei as imagens!
    E o assunto muito me interessa história, guerra e etc... Vou ler com certeza!
    Parabéns pela resenha

    ResponderExcluir
  2. Costumo dizer que este tipo de livro requer muita dedicação de minha parte, devido a essa complexidade que você mencionou, mas sempre trazem histórias perfeitas.
    Gostei muito do enredo e o livro está lindo em sua simplicidade.
    Dica anotada.


    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Nunca li um livro desse gênero, justamente por achar que a leitura deve ser bem complexa e densa... De qualquer forma, adorei conhecer esta obra e com certeza vou ler, de preferência quando for mais "madura" para entender toda a história por completo.

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Oii, tudo bem?
    Nossa, tenho muita vontade de ler algo da autora, pelo que vi os livros dela são incríveis! Amei a resenha, não conhecia essa história a fundo e tenho o livro aqui, mas ainda não tive um tempinho pra ler. Parece ser uma história bem complexa mesmo, mas achei bom saber que nada acontece por acaso na história. Não vejo a hora de ler *-*

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia o livro, mas já fiquei super curiosa com ele. Adorei a sua resenha e poder conhecer um pouco sobre a trama, fiquei mega instigada. Parece ser um libro muito bom e espero ler em breve.

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia o livro,mas adorei conhecer mais a fundo e sentir a vontade de lê-lo.
    Nunca li nada do gênero por achar que precisa de mais atenção - um pouco complicado de ler,vamos se dizer - mas com certeza esse vou colocar na lista.
    Amei a resenha,parabéns! Beijos <3

    ResponderExcluir
  7. Oiieee

    Esse é o tipo de livro que pede mais tempo pra se ler, que nos convida a refletir mais por se tratar de uma história mais complexa e diferente. No momento estou com o tempo escasso de verdade, mal consigo terminar as leituras que tenho, mas quem sabe quando me sentir mais tranquila me arrisco em leituras assim, mais exigentes... Fica anotado na lista pra quando surgir a oportunidade.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu não sei se gosto ou não de ficção científica pois eu nunca li, mas eu não tenho vontade nenhuma de ler esse gênero literário, então eu passo a dica

    ResponderExcluir
  9. Hey!

    Achei o livro bem interessante, ele chama atenção desde a capa, e pelo que li a resenha ele é bem singular no seu interior. Acredito que seja o tipo de obra que eu gostaria de ler, dica anotada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oii! Nossa, parece ser uma obra fascinante e muito bem escrita, gostei bastante desses dois planetas e de saber um pouco sobre os despossuídos. A edição está muito bonita e fiquei curiosa para conferir essa obra. Dica anotada, bjss!

    ResponderExcluir
  11. Oi, tudo bem? Conheço brevemente a literatura da Ursula, só esse e o mais clássico dela, A mão esquerda da escuridão. Mas ainda não tive oportunidade de ler nada. Quero começar pelo outro, mas este está também na minha lista. Ainda não tinha lido nenhuma resenha, e a sua ficou ótima, me convenceu muito. Não sou muito de sci-fi, mas tenho curiosidade. Gostaria muito de conferir este :)

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Olá Grazi, eu não conhecia o livro, e mesmo ele não sendo o meu estilo de leitura favorito, depois dos seus comentários fique bem curiosa para saber mais sobre o enredo e sua reflexões.

    ResponderExcluir
  13. Quando diz que o livro vai tirar da zona de conforto, eu já quero, gosto do que incomoda, principalmente na literatura.

    ResponderExcluir
  14. Adoro a Editora Aleph, as edições são lindas e confortáveis. Da autora já li um livro de fantasia lançado pela Editora Arqueiro, O Feiticeiro de Terramar e não se tornou favorito, mas gostei da escrita da autora.
    Gostei de conhecer o livro da postagem, pois de repente esse me conquiste mais que o outro. Vou dar mais uma chance para autora.Abraços.

    ResponderExcluir
  15. Adoro sci-fi e a única coisa que li da autora foi uma fantasia juvenil que amei, não conhecia esse livro mas já quero. Achei muito interessante essa definição dos Despossuídos e a abordagem de capitalismo e socialismo dessa maneira que mostra que os dois têm pontos fortes e fracos.

    ResponderExcluir