18/01/2018

TOP 10: MELHORES LEITURAS DE 2017



E aí, povo!

Finalmente fiz o balanço e decidi quais foram as melhores leituras de 2017! Foi meio difícil escolher em meio a tantos lançamentos bons e dicas ainda melhores dos migos (sem falar do Clube do Livro, né), mas aqui vão meus melhores e minhas dicas de 2018 para vocês!


10. Difamação - Renéé Knight



Imagine que você encontre um livro sobre a sua vida, que revele um segredo que você manteve escondido da sua família por vinte anos e que você achava que ninguém mais soubesse. Um segredo devastador.


Catherine Ravenscroft chegou à meia-idade levando uma vida perfeitamente normal: é casada, tem um filho, ama o emprego, gosta de ler nas horas vagas. Agora que o filho cresceu e seguiu seu próprio rumo, ela e o marido decidiram se mudar para uma casa menor. Em meio ao caos da mudança, Catherine encontra O completo estranho, um livro que não se lembra de ter comprado. 



Intrigada, ela inicia a leitura, mas logo se dá conta de algo terrível. O que está ali não é ficção. A narrativa traz, com riqueza de detalhes, o dia em que Catherine se tornou refém de um segredo sombrio. Até então, ela achava que ninguém mais sabia o que havia acontecido naquele verão, vinte anos antes. Pelo menos ninguém ainda vivo.



Agora o mundo perfeito de Catherine está desmoronando, e sua única esperança é encarar o que realmente aconteceu naquele dia fatídico. Mesmo que a verdade possa destruí-la. 


Difamação foi aquele livros do qual que não esperava NADA e acabei me surpreendendo positivamente. A sinopse era comum, a capa nada chamativa, autora desconhecida... e BAM, tive que engolir meus preconceitos hahaha. Recomendo pra quem curte suspense. 


9. Boneco de Pano - Daniel Cole



VOCÊ ESTÁ NA LISTA DE UM ASSASSINO. E ELA DIZ QUANDO VOCÊ VAI MORRER.

O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano.

Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf.

Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar.

Com protagonistas imperfeitos, carismáticos e únicos, aliados a um ritmo veloz e uma deliciosa pitada de humor negro, Boneco de Pano é o que há de mais promissor na literatura policial contemporânea.

Boneco de Pano é aquele livro que tem uma trama envolvente, enredo chamativo, é bem desenvolvido e aí esquece que precisava ter um clímax. É uma experiência de leitura muito boa, mas esperava mais da resolução. Recomendo aos fãs do gênero policial. 


8. Cilada para um marquês - Sarah MacLean



Sophie Talbot é conhecida pela Sociedade como uma das Irmãs Perigosas – mulheres Talbot que fazem de tudo para se arranjar com algum aristocrata. O apelido chega a ser engraçado, pois se existe algo que Sophie abomina é a aristocracia. Mas parece que mesmo não sendo uma irmã tão perigosa assim, o perigo a persegue por todos os lugares.


Quando a mais “desinteressante” das irmãs Talbot se torna o centro de um escândalo, ela decide que chegou a hora de partir de Londres e voltar para o interior, onde vivia antes de seu pai conquistar um título. Em Mossband, ela pretende abrir sua própria livraria e encontrar Robbie, um jovem que não vê há mais de uma década, mas que jura estar esperando por ela.



No entanto, ao fugir de Londres, seu destino cruza com o de Rei, o Marquês de Eversley e futuro Duque de Lyne, um homem com a fama de dissolver noivados e arruinar as damas da Sociedade. Rei está a caminho de Cumbria para visitar o odioso pai à beira da morte e tomar posse de seu ducado. Tudo o que ele menos precisava era de uma Irmã Perigosa em seu encalço.



O Marquês de Eversley está convicto de que Lady Sophie Talbot invadiu sua carruagem para forçá-lo a se casar com ela e conquistar um título de futura duquesa. Já Sophie tenta provar que não se casaria com ele nem que fosse o último homem da cristandade. Mas e quando o perigo tem olhos verdes, cabelos claros e a língua afiada?



Essa viagem será mais longa do que eles imaginavam…


Eu fiquei orfã da Sarah MacLean quando terminei Os Números do Amor, então saí caçando os outros livros dela. Achei a série Escândalos e Canalhas, da Editora Gutenberg, que começa com esse livro aí. AMEI MUITO. Super divertido e até instrutivo, viu. Ele adiciona elementos que não vi em nenhum outro Romance de Época (até ler Simplesmente o Paraíso). Ah, existe uma série que precede essa: O Clube dos Canalhas. 

Resenha


7. Simplesmente o paraíso - Julia Quinn


Honoria Smythe-Smith é parte do famoso quarteto musical Smythe-Smith, embora não se engane e saiba que o dito quarteto carece sequer do menor sentido musical e tem esperanças postas que esta seja a última vez que se submeta a semelhante humilhação. Esta será sua temporada e com um pouco de sorte conseguirá um marido. Durante um jantar, põe seus olhos em Gregory Bridgerton, um dos mais jovens da família Bridgerton. Sabe que não está apaixonada, mas ele parece uma opção mais que válida.

Marcus Holroyd é o melhor amigo do irmão de Honoria, Daniel, que vive exilado na Italia. Ele prometeu olhar por ela e leva suas responsabilidades muito seriamente. Odeia Londres e durante toda a temporada, permaneceu vigilante e intermediou quando acreditava que o pretendente não era o adequado.

Honoria e Marcus compartilham uma amizade, pouco atípica, fruto dos anos que se conhecem e que o torna parte da família.

Entretanto, um desafortunado acidente faz que ambos repensem sua relação e encontrem a maneira de confrontar o que surge entre eles, se tiverem coragem suficiente.

Eu amei TODOS os livros dessa série, mas precisava exaltar essa história pois foi a mais diferente e que mais me lembrou de O Duque e Eu (meu favorito). Os personagens não tem exatamente um passado complicado que precisa ser resolvido, então fico surpresa que uma história sobre duas pessoas que se conheciam desde sempre e acabam se relacionando ainda consegue ser tão original e fofinha. 


6. Opala - Jennifer L. Armentrout


Ninguém é igual ao Daemon Black. Quando ele prometeu que iria provar seus sentimentos por mim, não estava brincando. Nunca mais vou duvidar dele. E agora que conseguimos finalmente aparar nossas arestas, bem... Tem rolado muita combustão espontânea. Mas nem mesmo ele pode proteger a família dos perigos de tentarem libertar aqueles que amam. Depois de tudo o que aconteceu, já não sou mais a mesma Katy. Tornei-me uma pessoa diferente... E não sei bem o que isso vai significar no final. Quanto mais nos aproximamos da verdade e nos colocamos no caminho da organização secreta responsável por torturar e testar os híbridos, mais me dou conta de que não existe limite para o que sou capaz de fazer. A morte de um ente querido continua afetando a todos, a ajuda surge do lugar mais improvável, e nossos amigos irão se tornar nossos piores inimigos, mas não podemos voltar atrás. Mesmo que com isso estejamos arriscando destruir nosso mundo para sempre. Juntos somos fortes... e eles sabem disso.

Opala é o terceiro livro da Saga Lux e me deixou ligadona! Ele introduz uma nova realidade nos relacionamentos dos personagens, mexendo com tudo e deixando a narrativa muito mais envolvente. Adorei. 

Resenha

5. Solaris - Stanislaw Lem


Quando o psicólogo Kris Kelvin chega em Solaris para estudar o oceano vivo – e possivelmente inteligente – que cobre a superfície do planeta, ele encontra colegas de trabalho hostis e amedrontados. Logo Kelvin descobre que esses respeitados cientistas estão sendo perturbados por estranhas aparições, que também começam a afetar sua própria percepção. O que ele vê são suas memórias mais obscuras e reprimidas, materializadas por obra de alguma misteriosa força atuante no planeta. Publicado pela primeira vez em 1961, este clássico da ficção científica, aqui traduzido diretamente do polonês, ganhou três adaptações cinematográficas, sendo que a versão dirigida por Andrei Tarkovsky em 1972, recebeu o Grand Prix no Festival de Cannes.






A sinopse já diz tudo, né? É um alienígena oceano! Eu fiquei piradona com essa premissa e mais ainda com os conteúdos trabalhados pelo autor. Obra prima do gênero, sem dúvida. 

Resenha

4. Quando a Bela domou a Fera - Eloisa James



Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, "Quando a Bela domou a Fera" é uma releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos.

Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.

Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.

No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?

AMEI DEMAAAIS esse livro. Não sei nem mais o que dizer além de: LEIAM. Ele muda um pouco a dinâmica dos enredos de seu gêneros e apresenta dois protagonistas muito bem trabalhados e com histórias bem embasadas. Melhores diálogos!

Resenha

3. Nove regras a ignorar antes de se apaixonar - Sarah Maclean



A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres.


E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para

cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato.


Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres.



Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente.


O melhor do ano no gênero, com certeza. Eu só li um RdE que não gostei, os outros todos adorei, mas esse aqui se elevou de um jeito que eu não esperava. Eu ainda não tinha lido nada da MacLean na época, então tava meio que ''ah, não é Julia Quinn, mas deve ser satisfatório'' e acabei me apaixonando muitooo. O livro trabalha muito bem a história que propõe: um início de feminismo  (nas decisões da protagonista) naquela época em que a mulher não podia nada. E o Gabriel é um dos melhores personagens masculinos do gênero. Sem falar de ser uma introdução a outros OITO livros da autora. 


2. Originais - Jennifer L. Armentrout



Daemon fará o que for preciso para ter a Katy de volta.
Após a bem-sucedida, porém desastrosa, incursão a Mount Weather, ele está tendo que encarar o impensável. Katy foi capturada. Sua única meta agora é encontrá-la. Destruir qualquer um que se ponha em seu caminho? Com todo prazer. Incendiar o planeta inteiro para salvá-la? Moleza. Expor sua própria raça ao mundo? Sem problema.

Tudo o que a Katy pode fazer é sobreviver.
Cercada por inimigos, a única maneira que ela tem de sair dessa é se adaptando. Afinal, nem todas as facetas do Daedalus são totalmente malucas, embora os objetivos do grupo sejam assustadores e as verdades propagadas ainda mais perturbadoras. Quem é de fato o inimigo? O Daedalus? A humanidade? Ou os Luxen?
Juntos, eles podem encarar o que vem pela frente.
No entanto, a pior de todas as ameaças esteve escondida o tempo inteiro. Quando as verdades vierem à tona e as mentiras forem enfim desmascaradas, de que lado o Daemon e a Katy decidirão ficar? E será que eles conseguirão, pelo menos, continuar juntos?

Pois é, Saga Lux aqui de novo. Foi minha queridinha do ano. Assim como Opala, esse se eleva por diferenciar as coisas, mas no caso aqui são adicionados novos elementos da mitologia da série, que aliás, foram bem pensados para fazer sentido dentro da proposta. O final me deixou LOUCA. 

Resenha
1. Nós - Yevgeny Zamiátin


Nós é um romance distópico escrito entre 1920 e 1921 pelo escritor russo Yevgeny Zamyatin. A história narra as impressões de um cientista sobre o mundo em que vive, uma sociedade aparentemente perfeita mas opressora, e seus conflitos ao perceber as imperfeições dele, ao travar contato com um grupo opositor que luta contra o "Benfeitor", regente supremo da nação. O livro só adentrou legalmente a pátria-mãe do autor em 1988, com as políticas de abertura do regime soviético, devido à censura imperante no país.

Não tem pra nenhum outro de 2017 quando lembro dessa narrativa. Um dos melhores livros que já li na vida toda, não só do ano passado. É quase um guia de como cutucar vários regimes. Recomendo a todo mundo porque o Brasil tá precisando. 



E aí, pessoal, curtiram? Querem posts separados de dicas de cada gênero? Eu tenho voltado a ler de forma mais heterogênea e tô com muitos livros de vários autores novos lidos ou para ler. Comentem aí!

Um comentário:

  1. Acredita que não li nenhum desses?!
    Os únicos que li da Julia Quinn foi a série dos Bridgertons, mas estou louca para ler esse também!
    Adorei a postagem e já anotei algumas dicas.

    Beijos,
    Blog PS Amo Leitura

    ResponderExcluir